domingo, 26 de julho de 2009

Canil Keller Bull ( Sua História ).

Para contar a história de como surgiu o canil Keller Bull, tenho que voltar a minha infância.
Eu sou apaixonado por cães desde muito pequeno, acho que minhas primeiras lembranças com cães, é de quando eu tinha uns 6 anos de idade, com um vira latas que minha família tinha.
O cão que eu me apaixonei ainda criança, por causa dos desenhos do Tom e Jerry, foi sem dúvidas o Bulldog, achava engraçado o cão com cara de mal, e muito bravo mesmo, sempre espancando o Tom.
Então cresci com esta imagem de que o cão ideal para guarde, o cão bravo de verdade era aquele que eu via na televisão, o Bulldog.
Quando foi em 18/08/1993, eu adquiri meu primeiro cão de raça, um Boxer, eu tinha 14 anos de idade na época.
Comprei o Boxer, justamente por se parecer com o Bulldog, o cão que eu admirava, e foi ai que tudo começou, fui adquirindo uma fêmea aqui, mais uma ali, e quando vi, já estava com 6 Boxers em casa, criando, de formar modesta, sem canil registrado, mas tirava algumas crias uma vês ou outra, muito pela empolgação da juventude, e pala satisfação de tirar filhotes dos meus cães, e ver o resultado das cruzas, sempre procurando o melhor resultado, foi ai que eu fui começando a aprender o que é uma criação criteriosa de cães de raça.
Tenho muito a agradecer a Deus, por ter concedido esta experiência em minha vida, por que foi por causa desta minha criação amadora de Boxers, que comecei a estudar sobre raças, manejo de criação etc...
Foi nesta época, também, que fiquei conhecendo o passado e a História da origem da raça Bulldog Inglês, por causa da História do Boxer, e foi ai também, que tive minha decepção de saber que o Bulldog Inglês, era somente um cão de companhia, e não de trabalho ou de guarda, e que a raça também era muito suscetível á inúmeras doenças, e que aquele Bulldog da antiguidade feroz utilizado nos combates, já não existiam mais, estavam extintos.
Me peguei por varias vezes imaginando como seria, se tive-se contato com aqueles Bulldogs maiores, das gravuras dos livros de História da raça Boxer e do próprio Bullodg, chegava até a compará-los em minha mente, com os Boxers que eu tinha.
Foi quando em 1996, não me lembro em que mês, saiu na revista Cães & Cia, uma matéria falando sobre o American Bulldog Johnson, introduzido no pais pelo extinto canil Black thunder da Aldeia, o cão da foto da matéria era do mesmo canil, fiquei encantado com o cão e sua história, tinha finalmente na minha frente aquele Bulldog que eu acreditava que jamais iria ver, que não existia.
Mas quando entrei em contato com o canil, eu voltei a realidade, pois o valor do filhote na época era muito caro, e fiquei durante anos namorando a possibilidade de ter um dia um Bulldog Americano, para saciar de vês meu sonho de infância de ter um Bulldog, mas um Bulldog funcional.
No ano de 2000, a popularidade do Pit Bull aqui em minha cidade estava no auge, foi quando eu adquiri meu casal de Pit Bulls afinal o Bulldog também fazia parte da história do Pit Bull, nesta época já não criava Boxers, só ficou dos meus Boxers o Half, que foi o meu primeiro, e era o meu xodó.
Foi com os meus Pit Bulls, que eu decidi a começar uma criação com tudo direitinho, com canil registrado e cães com Pedigree, foi ai que em 07/06/2002 eu registrei o meu canil na SOBRACI com o nome de White Guns Kennel.
Escolhi a SOBRACI na época, por que muitos criadores de Pit Bull, não davam muita atenção para essa coisa de papel( pedigree ), sendo assim meus Pit Bulls , não eram registrados, mas eu queria o registro deles, para que suas ninhadas tivessem registro, tudo direitinho, então como a SOBRACI era a única que aceitava tirar o registro inicial, eu registrei meu canil nela mesmo.
Descobri infelizmente mais tarde, quando meu Pit Zoidan estava para completar seu segundo ano de vida, que ele era epilético, começou a ter convulsões, até que um dia ele não resistiu a uma convulsão muito forte, e veio a falecer, mesmo com todo o tratamento com remédios ele nunca melhorou.
Daí eu fiquei muito desanimado, tinha também a coisa da mídia sempre taxando a raça como perigosa, a implicância dos vizinhos das pessoas na rua com os meus cães, somente pelo fato de serem Pit Bull, sem nem darem a chance dos meus cães mostrarem como realmente eles eram, isso tudo culminou na minha desistência de criar a raça, depois que meu Zoidan faleceu, eu dei a fêmea Chiva, fiquei somente com o meu velhinho Boxer o Half.
Mas ainda não tinha perdido o sonho de ter um Bulldog, principalmente por que em agosto de 2001, quase um ano antes de eu abrir meu canil, eu tinha através da Cães & Cia mais uma vês, conhecido outro tipo de Bulldog, desta vês o Buldogue Campeiro na matéria Brasil: Novas Raças Avançam, revista Nº 267.
Foi amor a primeira vista, um Bulldog mais parecido ainda com aqueles das gravuras e fotos antigas, funcional, de trabalho literalmente, e o melhor de tudo, era nacional, era criado aqui no Brasil, isso foi o Maximo pra mim, mas ainda não era ora, estava envolvido com os Pit Bulls.
Então depois que o meu Pit faleceu e eu dei minha fêmea, a Chiva, eu ainda tinha o canil registrado na SOBRACI, então foi um pulo até decidir ter meus primeiros Buldogues, mas primeiro eu tinha que decidir, entre aquele primeiro Bulldog funcional que eu vi na cães & Cia lá em 1996, ou ficar com aquele cão que eu tinha me apaixonado de imediato, não segui direto a paixão, pois já que eu ia me dedicar a uma criação séria de uma raça, eu queria fazer uma escolha muito acertada, para não me arrepender depois, então eu fui para a internet e pesquisei o que eu pude sobre o Bulldog Americano, e sobre o Buldogue Campeiro, então finalmente me decidi pelo Buldogue Campeiro, não somente pela paixão, mas por saber de algumas coisas sobre o Bulldog Americano que me desanimaram, a primeira em saber que a raça era dividida em 5 linhas de sangue, e que em cada uma delas tinha diferença uma da outra não só em temperamento, com em fenótipo, descobri também, que os canis de Bulldog Americano, ao contrario do que era dito nas propagandas na época, que seus cães eram 100% de sangue Johnson, que era o tipo que eu mais gosto até hoje, não tinham cães 100% Johnson, os cães já não tinham os seus sangues 100% puros de sangue Johnson, estes Bulldogs tinham uma porcentagem de mistura de outra linhagem, a Scott que era bem diferente do Johnson em fenótipo, o Scott se parece bem mais com um Pit Bull pesado, do que com um Bulldog, e fui vendo isso, vendo fotos das ninhadas dos canis de Bulldog Americando aqui no Brasil, os filhotes não apresentavam em uma mesma ninhada uma igualdade em fenótipos, tinham em uma mesma ninhada filhotes bem diferentes, uns realmente bem do tipo Johnson, mas a maioria com o tipo que eu não admirava muito, o Scott.
Então por tudo isso, e constatando o regularidade muito melhor, na igualdade em fenótipo dentro do Buldogue Campeiro, juntamente com a História da raça, que me cativou muito, decidi então comprar meu primeiro casal de Buldogue Campeiro.
Foi em 2003 que comprei meu primeiro casal de Buldogue Campeiro, o Guns do Cãodominio e a Rose do Cãodominio.
E foi no finalzinho de 2004, juntamente com a primeira ninhada do Guns e da Rose, em 10/12/2004 que registrei também o meu canil com o nome de White Guns Kennel na CBKC, sendo á partir daí que dei inicio a criação profissional da raça Buldogue Campeiro.
Esta primeira ninhada do Guns e da Rose, que gerou um dos meus padriadores atuais, o belo Achilles White Guns, está eternamente registrada em duas edições da Cães & Cia, a primeira em Fevereiro de 2005, e a segunda em Março de 2005, edições 309 e 310, na parte de anúncios dos canis, logo abaixo do anuncio do canil Molosso di Jerivá.
Bom de lá para cá, já nasceram algumas ninhadas aqui no meu canil, já passaram por minhas mãos alguns Buldogues, e já até parei a criação por um tempo, quando morreu uma Matriz que eu gostava bastante, a Maiolina Molosso di Jerivá, dos sete Buldogues que estavam aqui, desfiz de cinco deles, ficando somente com o Achilles e com a Rose.
Mas a minha admiração e paixão por esta raça, e pelo Bulldog é enorme, eu não consegui me manter afastado por muito tempo, voltando agora em 2009, reabrindo o meu canil registrando na SOBRACI e CBKC, com um novo nome Keller Bull, para de alguma forma fazer uma homenagem ao meu avô, que era uma pessoa que eu admiro muito e tenho muito respeito, e era outro amante dos animais, e para que possa ser identificado com o meu próprio nome os cães produzidos no meu canil, assim como o Sr. Johnson fez no Bulldog Americano, e o Guillermo Thompson fez no Pit Bull.
Estou voltando então, reformulando todo o meu plantel, e partindo dos cães remanescentes do primeiro canil o White Guns Kennel, o Achilles White Guns e a Rose do Cãodominio, já adquiri mais uns cães, que poderão ser vistos abaixo, e estou para incorporar ao plantel mais alguns cães.
O objetivo do canil agora, não é simplesmente criar a raça, somente pela paixão ao cão, mas sim utilizar a própria criação, na ajuda da formação de novas linhas de sangue dentro da raça seguindo os critérios de seleção estipulados no padrão, e ensinados pessoalmente pelo Homem que idealizou e criou a raça, o Sr, Ralf Bender, ajudando assim com a criação destas novas linhas de sangue, criar a quantidade e variedade de linhagens homogêneas exigida pela FCI, para o tão sonhado por todos, reconhecimento internacional da raça.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns...Sou um apaixonado por cães de guarda em geral. Quando adquiri meu rott em manaus, pesquisei encontrei um exemplar campeão argentino pertencente a um dos maiores canis do Brasil atualmente pertencente a um outro criador, e quando ao adquiri ja pertencia a ele. Não dei sorte, apesar da beleza do padreador e da matriz, com excelente pedigres o meu cão manca da perna traseira, defeito que não consegui detectar quando pequeno, mas o criador pela experiência sabia, provavelmente!. Minha confiança está abalada nos criadores de rottweiler . Sinto sinceriadade nas suas palavras, acredito que função do criador é essa, selecionar a ninhada e orientar os novos proprietários a respeito do temperamento e as caracteristica do cão. Abraços

    ResponderExcluir